• +55 11 3864-2022 | 11 3675-1027

DSC00705
DSC00704
DSC08164
117
106
091
090
DSC07882

Muito se discute sobre como tornar os processos de aprendizagem em experiências mais significativas para os estudantes, assim como quais estratégias podem tornar os conteúdos e sequências pedagógicas mais atraentes e condizentes com a realidade das crianças. A Escola Bakhita está apostando, cada vez mais, na relação entre os temas de estudo da sala de aula com a comunidade e o entorno. Esse contato com pessoas e instituições do bairro permite, além de proporcionar a ampliação de fontes de pesquisa, uma reflexão mais contextualizada e significativa sobre a importância das temáticas abordadas.

Nesse movimento de percepção sobre o próprio estudo e a realidade do entorno em que estamos inseridos, as crianças vão desenvolvendo seu papel de cidadãos, buscando formar seu olhar crítico para as estruturas da sociedade e para as possibilidades que ela pode encontrar para atuar e intervir em diversos aspectos do cotidiano da cidade.

Essa proposta de trabalho e visão para o processo de formação da cidadania é abordado desde a Educação Infantil até o Ensino Fundamental 2.

Na educação infantil, desde pequenas as crianças são estimuladas a observar os elementos que compõe a cidade, de modo a realizar algumas saídas no entorno da escola para descobrir e observar diversos aspectos como, profissões, plantas, construções, etc. Esses são momentos muito importantes para a ampliação do repertório das crianças, uma vez que o contato com o espaço público é cada vez mais incomum na sociedade atual.

No Ensino Fundamental as crianças e os adolescentes já possuem maior possibilidade de interação com a comunidade, realizando atividades como entrevistas, pesquisas e coletas de dados, chegando a realizar intervenções. Esse tipo de trabalho possibilita o desenvolvimento de um olhar crítico e a reflexão sobre alternativas de atuação para a resolução de problemas, proposta de campanhas e outras estratégias visando a melhoria da convivência.

Todas essas ações podem contribuir para o desenvolvimento de uma geração mais participativa politicamente e interessada em se envolver nas decisões sobre o desenvolvimento dos espaços que frequentam.